WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia

secom bahia

embasa



(74) 99106-4031

junho 2022
D S T Q Q S S
« maio    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


“Democrata” Zelensky suspende partidos da oposição, de esquerda e pró-Rússia na Ucrânia

Partidos neonazistas continuarão atuando normalmente

247 – O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, anunciou, neste domingo, 20, a suspensão durante a lei marcial de partidos da oposição ao governo, de esquerda e que apoiam a Rússia. Partidos neonazistas continuarão atuando normalmente.

“As atividades de políticos que visam a discórdia e colaboração não serão bem-sucedidas, elas vão enfrentar uma resposta dura. É por isso que o Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia decidiu, considerando a larga escala da guerra desencadeada pela Federação Russa e conexões entre ela e algumas estruturas políticas, suspender as atividades de uma série de partidos políticos durante a lei marcial”, disse Zelensky, conforme o jornal inglês The Telegraph.

Em inglês, eis os partidos afetados: Opposition Platform – For Life, Party of Shariy, Nashi, Opposition Bloc, Left Opposition, Union of Left Forces, Derzhava, Progressive Socialist Party of Ukraine, Socialist Party of Ukraine, Socialists e Volodomyr Saldo’s Bloc.

A lei marcial na Ucrânia foi imposta em 24 de fevereiro, quando a Rússia anunciou o início de uma operação militar especial para proteger civis na região de Donbass das ações criminosas de Kiev.

“Enquanto o Alckmin estava no ninho tucano era proibido de ser investigado”, constata Wadih Damous

Advogado e ex-deputado federal do PT diz que “o sistema de Justiça perdeu a credibilidade”. “Sempre me dá a impressão de que há um interesse político por trás da decisão”

247 – O ex-deputado federal e ex-presidente da OAB-RJ Wadih Damous (PT-RJ) comentou na TV 247 a investigação da Polícia Federal contra o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, justamente no momento em que o ex-tucano está para ser anunciado oficialmente como candidato a vice-presidente na chapa do ex-presidente Lula (PT). No mesmo dia da divulgação do inquérito, a Justiça Eleitoral de São Paulo arquivou o caso.

“Enquanto o Alckmin estava no ninho tucano, era um território proibido de ser investigado, o território do PSDB. A partir do momento em que Alckmin faz um movimento pró-Lula, de repente aparece essa investigação, essa manchete, uma delação”, afirmou.

O ex-parlamentar afirmou que não passa “atestado de inocência” para Alckmin, mas diz que a Justiça brasileira “perdeu credibilidade” para investigar e punir políticos. “Sempre me dá a impressão de que há um interesse político por trás dessa ou daquela medida, dessa ou daquela decisão. Pode ser coincidência, pode não ser, mas está me cheirando muito mal na altura dos acontecimentos ser divulgada essa suposta investigação”.

‘Depois de ser presidente, não fui mais nada’, desabafa FHC em documentário

Foto: Reprodução / TV Globo

O ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso estrela o documentário “O Presidente Improvável”, dirigido pelo documentarista Belisario Franca. A produção narra a trajetória do político que, em primeira pessoa, conta sua história, desde a infância até atualmente.
Misturando imagens de arquivo com sequências de diálogo entre FHC e importantes nomes da política nacional e internacional, entre eles amigos e colegas do ex-presidente. Entre os interlocutores, estão Bill Clinton, Manuel Castells, Gilberto Gil, Ricardo Lagos, Raul Jungmann, Maria Hermínia Tavares, Boris Fausto, Alain Touraine e mais.
Entre os assuntos abordados, o político fala sobre a ditadura militar brasileira, lembra o período de seu mandato como Presidente do Brasil, e pondera sobre depois de ter deixado o posto de chefe de Estado. “Depois de ser presidente, não fui mais nada”, diz em dado momento. Além disso, ele demonstra dúvidas quando o assunto é reeleição.
Para o documentário, foram gravadas 20 entrevistas, cada uma delas com cerca de 1h30 de conversa. Todos os encontros aconteceram na Fundação Fernando Henrique, em São Paulo, local onde FHC trabalha, apresentas suas palestras e também recebe os amigos.
Fernando Henrique Cardoso completará 91 anos em junho e foi Presidente do Brasil entre 1994 e 1998. Ele foi um dos fundadores do PSDB (Partido Social Democrático Brasileiro). No primeiro ano do mandato do presidente Itamar Franco, FHC assumiu o Ministério das Relações Exteriores, em 1992, e no ano seguinte foi atribuída a ele a função de Ministro da Fazenda.
Nesta pasta realizou uma reforma monetária na economia brasileira que vivia sucumbida pela inflação, o chamado Plano Real. Em 1993 deixou o Ministério da Fazenda e lançou sua candidatura à presidência da República, rivalizando assim com Luiz Inácio Lula da Silva, que concorria à presidência pelo PT e era considerado o candidato favorito na ocasião. O tucano foi eleito duas vezes para os mandatos que seguiram entre 1995 e 2002.
“O Presidente Improvável” chega aos cinemas no dia 31 de março.

Governo investe R$ 1 bilhão em tecnologia e novas estruturas para polícia e bombeiros

Pouco mais de R$ 1 bilhão foi investido pelo Governo do Estado, nos últimos anos, na Segurança Pública da Bahia. O recurso foi empregado na expansão de tecnologia, em novas delegacias e batalhões, além de armamentos de primeira linha e equipamentos de proteção individual.

Na parte de tecnologia, R$ 250 milhões foram investidos na construção do Centro de Operações e Inteligência (COI), maior estrutura da América Latina, e nos 22 Centros Integrados de Comunicações (Cicom). As unidades estão instaladas em Salvador, na região metropolitana (RMS) e no interior.

Os sistemas de Reconhecimento Facial e de Placas Veiculares, que auxiliam na localização de foragidos das Justiça e de veículos com restrições de roubo e furto, estão em processo de expansão. Setenta e sete cidades das RMS e do interior receberão os equipamentos, em um investimento de R$ 665 milhões.

Nas construções e reformas totais de delegacias e batalhões, o Governo do Estado investiu R$ 83 milhões. Para a Polícia Civil serão 42 novas unidades, em todo o estado, até o fim deste ano. A PM receberá 15 novas estruturas. Quarenta e seis cidades serão contempladas, na primeira etapa de modernização das estruturas.

Reivindicação dos policiais, o Estado investiu também R$ 20 milhões na compra de 10 mil pistolas modelo Glock. O armamento, usado pelo FBI, é considerado por especialistas como um dos mais seguros.

Além do armamento, 1,5 mil coletes balísticos foram entregues para as forças de segurança. Cerca de 1,5 milhão de reais foi investido no equipamento de proteção individual.

 

Fonte: Bahia Notícias

Operação da PF cumpre mandado contra suspeito de participação na morte de Marielle

A Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público Federal deflagrou a Operação Heat, na manhã desta terça-feira (15), com o objetivo de combater o tráfico internacional de armas. Entre os alvos da ação está o PM reformado Ronnie Lessa, réu pelas mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, crime que aconteceu em março de 2018.

Segundo as investigações, a quadrilha usava no Rio uma impressora 3D para terminar de montar o armamento, despachado clandestinamente dos EUA. O mandado contra Lessa foi cumprido na Penitenciária de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul e um homem foi preso.

De acordo com a PF, o dinheiro para a compra do armamento era enviado do Brasil para os EUA através de doleiros. Foi identificado um brasileiro, dono de churrascarias em Boston, que recebia parte desse dinheiro e repassava para os alvos residentes nos EUA.

Ainda segundo a polícia, o bando investia o dinheiro adquirido com o tráfico de armas em imóveis residenciais, criptomoedas, ações, veículos e embarcações de luxo. Além das medidas judiciais já citadas, foi decretado o sequestro de bens, avaliados em cerca de R$ 10 milhões. Ao longo da investigação, foram apreendidos milhares de armas, peças, acessórios e munições de diversos calibres, tanto no Brasil, quanto nos EUA.

Fonte: Bahia Notícias

Pepe Escobar diz que China comprará petróleo saudita em yuan e que isso vai acelerar a morte do petrodólar

Pepe Escobar, Putin e Xi (Foto: Felipe L. Gonçalves / Brasil247 | Reuters)

“É o derradeiro divisor de águas”, afirma

247 – O correspondente internacional Pepe Escobar informa que a China deverá passar a comprar petróleo da Arábia Saudita em yuan, e não mais em dólar – o que deve acelerar a morte do “petrodólar”, o padrão usado no mercado global de energia.  “O derradeiro divisor de águas”, disse ele. “E chegou muito mais cedo do que todos pensávamos”, apontou. Confira:

Ontem, a União Econômica Eurasiática, formada por Bielorrússia, Cazaquistão e Rússia, e a China desenvolverão um projeto para um sistema monetário e financeiro internacional independente, informou o jornal cazaque Kapital.

No dia 11 de março, ocorreu o diálogo econômico “Uma Nova Etapa de Cooperação Monetária, Financeira e Econômica entre a União Econômica Eurasiática e a República Popular da China. Transformações Globais: Desafios e Soluções”.

O fortalecimento das relações econômicas se dá em meio a um aumento da ofensiva internacional dos Estados Unidos e países europeus contra os países da UEA e a China. A atual guerra na Ucrânia aumentou o boicote internacional à Rússia.

Da mesma forma, a medida ocorre num momento em que o sistema financeiro internacional vive um de seus piores momentos. O projeto anunciado vai permitir maior independência ao bloco Rússia-China e uma cooperação no sentido do desenvolvimento.

Presume-se que o novo sistema será baseado em uma nova moeda internacional, que será calculada como um índice das moedas nacionais dos países participantes e dos preços das commodities. O primeiro rascunho será submetido para discussão até o final de março, segundo o Kapital.

247

Omar Aziz sobre Eduardo Leite no PSD: “meu candidato é o Lula”

Lula e Omar Aziz (Foto: Reprodução/Twitter)

“Podem fazer cem reuniões, podem entrar cem pessoas no partido, para mim está sendo indiferente, meu candidato é o Lula”, afirmou o senador

247 – O senador Omar Aziz (PSD-AM), que presidiu a CPI da Covid no Senado, reafirmou nesta segunda-feira (14) o seu apoio ao ex-presidente Lula na eleições de outubro, apesar da movimentação de seu partido, o PSD, para tentar trazer o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) para a legenda e transformá-lo em candidato à Presidência.

“Minha posição já foi colocada lá atrás. Podem fazer cem reuniões, podem entrar cem pessoas no partido, para mim está sendo indiferente, meu candidato é o Lula”, afirmou o senador à revista Veja.

A possível filiação de Leite acontece depois que o senador Rodrigo Pacheco abriu mão da candidatura à Presidência pelo PSD. Com isso, Gilberto Kassab passou a trabalhar na possibilidade de filiação do governador do Rio Grande do Sul, que derrotado nas prévias tucanas por João Doria tenta concretizar sua pretensão à corrida presidencial.

Além de Aziz, outros senadores do partido estão descontentes com a movimentação para atrair Leite, entre os quais Otto Alencar (BA).

247

Rui descarta disputar vaga na Câmara para manter PP na base: ‘Essa hipótese não existe’

Foto: Anderson Ramos / Bahia Notícias

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), descartou mais uma vez a possibilidade de deixar o cargo antes do final do seu mandato, em 31 de dezembro de 2022. Uma eventual renúncia de Rui realizaria o sonho do vice-governador João Leão em assumir a cadeira por nove meses, em um mandato tampão. A movimentação seria uma manobra para manter o Progressistas, comandado por Leão no estado, no arco de alianças governista.

Rui, contudo, afirma que “essa hipótese não existe”. A fala do governador ocorreu na manhã desta segunda-feira (14), durante a inauguração do Centro de Hemorragia Digestiva do Hospital Roberto Santos, ao ser questionado pela imprensa sobre a possibilidade de renunciar e sair candidato a deputado federal. Caso isso se concretizasse, o desenho traria Leão como governador e a manutenção do PP na base, e uma chapa com Jerônimo Rodrigues (PT), atual secretário de Educação, como candidato ao governo e o senador Otto Alencar (PSD) candidato à reeleição para o Senado.

“E devo dizer que Leão nunca pediu isso, até porque soaria estranho para alguém que eu considero meu amigo pedir a cabeça do seu amigo para continuar sendo amigo. Ele nunca me pediu isso. Quem me colocou aqui foi o povo da Bahia. Aliás colocou a mim e colocou a ele, cada um com uma função. A mim o cargo de governador e a ele o de vice. E assim eu pretendo concluir meu cargo até 31 de dezembro, todas as vezes que eu me coloquei sobre isso eu disse que estaria disposto a conversar sobre qualquer possibilidade de facilitar essa composição do grupo, mas não passa a essa hipótese”, afirmou Rui Costa.

Fonte: Bahia Notícias

Otto rejeita tese de que falta de dinheiro o faria retirar candidatura ao governo

Foto: Anderson Ramos / Bahia Notícias

O senador Otto Alencar (PSD) negou a informação de que iria desistir da reeleição ao governo do estado por falta de recursos para uma grande campanha. Durante uma conversa com jornalistas, nesta segunda-feira (14), o político disse que não está na vida pública por esse motivo.

“A campanha eleitoral começa depois da convenção de julho. O fundo eleitoral é dado por financiamento públco. O meu partido não é dos maiores, tem um quantitativo de deputados menor que os outros e vamos melhorar lá na frente. Não estou na política por esse motivo e, lamentavelmente, nunca foi rios de recursos, sempre foi [por] militância”, disse.

O parlamentar baiano falou ainda sobre o apoio ao pré-candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), o atual secretário de Educação da Bahia, Jerônimo Rodrigues. “[O PSD] vai continuar na aliança e vai apoiar a candidatura do indicado pelo governador, pelo PT, por Wagner, pela executiva”, categorizou Otto.

 

Fonte: Bahia Notícias

Lídice nega conversas para a vice da chapa governista e mantém foco na bancada do PSB

Foto: Anderson Ramos / Bahia Notícias

Após a definição do nome de Jerônimo Rodrigues (PT), atual secretário de Educação da Bahia, na cabeça da chapa governista para as eleições de outubro, a deputada federal Lídice da Mata (PSB) foi incluída como candidata para ocupar a vice de Rodrigues. A parlamentar, no entanto, garante que o assunto nunca foi tratado pelo PSB ou pelo grupo político. Lídice – que é presidente da sigla na Bahia – aponta que o foco está na eleição proporcional, com a manutenção e possível ampliação da bancada.

“Não tenho como responder especulação da imprensa. Já saiu que eu vou mudar de partido, que eu sou vice, que eu sou governadora, até isso. Não tenho nem como tratar do assunto porque esse assunto nunca foi tratado por nós ou pela chapa. O PSB tem uma tarefa hercúlea que é não participar da federação e nessa dimensão construir uma chapa. Nós trabalhamos no sentido de criar federação, trabalhamos para dar novas regras a federação. E no final o PSB concluiu que não vai participar da federação, isso mudou muito a organização do partido no Brasil inteiro, estamos em uma reviravolta. Nossa prioridade nesses 15 dias é tratar de construir uma chapa proporcional para garantir a reeleição e ampliação das nossas bancadas”, comentou a deputada, nesta segunda-feira (14), durante a inauguração do Centro de Hemorragia Digestiva do Hospital Roberto Santos.

Lídice evitou citar nomes que devem desembarcar no PSB para disputar as eleições mas confirmou que as tratativas estão abertas com quadros como Fábio Vilas-Boas, ex-secretário de Saúde, e Roberto Carlos, deputado estadual que deve deixar o PDT.

“Estamos conversando com todos eles e muitos outros. É uma formação que o PSB passa a ser um partido atraente para aqueles que não estão nos partidos que integram a federação, que terá um corte eleitoral muito alto. Os candidatos do PT na última eleição tiveram todos acima de 115 mil votos, todos os que se elegeram. É uma chapa que é atraente porque o 13 [o PT] puxa a coligação mas ao mesmo tempo não dá conta de candidaturas que não alcancem esse corte. Isso pode ser um ponto de atratividade para diversas candidaturas que estão aí em torno de 100 mil. O corte de uma chapa nossa é menor”, ressalta Lídice.

A parlamentar comentou, ainda, o atual desenho da bancada socialista e projetou que a sigla agora pode garantir três cadeiras na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). “Nós elegemos cinco deputados estaduais [em 2018], mas agora só temos dois na prática. Três com Marcelinho [Veiga] que ainda não definiu sua posição. Alex [Lima] não vai mais concorrer e Marquinho [Viana] já tinha decidido antes que sairia do partido para ir para o PSD, não sei a posição que ele tem agora. Mas o partido conta hoje, mais vinculado ao partido, com os deputados Angelo [Almeida] e Fabíola [Mansur]. [Garantindo reeleição] dos dois deputados estaduais, nós com um pouco mais de voto fazemos três”, apontou.



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia