WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia

secom bahia

embasa



(74) 99106-4031

janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


Dallagnol afronta Gilmar Mendes e diz que ministro do STF “deveria trocar a toga pelo voto”

Gilmar Mendes e Deltan Dallganol (Foto: STF | ABr)

“O ministro deve ser coerente e fazer o que defende: se filiar a um partido e trocar a toga pelo voto, para fazer política no campo certo”, disse o lavajatista

247 – Depois de usar o Ministério Público para perseguir o candidato favorito das eleições de 2018 por um projeto de poder que se concretizou com a sua recém filiação ao Podemos – filiação que já cogitava quando era procurador como revelou a Vaza Jato -, Deltan Dallagnol acha que pode dar lição de moral no ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. Segundo ele, o ministro deveria ser “coerente” e “trocar a toga pelo voto”.

“Se, como ele diz, o lugar para isso é a política, o ministro deve ser coerente e fazer o que defende: se filiar a um partido e trocar a toga pelo voto, para fazer política no campo certo, se candidatando a um cargo eletivo em 2022”, declarou o lavajatista.

A alegação foi feita em uma entrevista ao portal UOL. Dallagnol, que é pré-candidato a deputado federal, respondeu às declarações de Gilmar que acusou o principal porta-voz da operação Lava Jato de fazer “militância política” usando os processos.

“É curioso que o ministro faça esse tipo de comentário, afinal, ele fala e dá entrevistas sobre temas em julgamento no STF, o que viola a lei da magistratura”, rebateu Deltan.

247

Moro diz que sem ele, eleição seria “uma espécie de funeral na qual o brasileiro ia escolher a cor do caixão”

Sergio Moro (Foto: Ag. Brasil)

Apesar das pesquisas apontarem que o ex-juiz suspeito figura em quarto e quinto lugar na corrida, Moro diz que é a alternativa

247 – Responsável pela destruição de 4,4 milhões de empregos, segundo o Dieese, e pela eleição de Jair Bolsonaro, o ex-juiz suspeito Sergio Moro, disse em entrevista ao canal lavajatista My News, nesta segunda-feira (20), que as eleições de 2022 caminhavam para “uma espécie de funeral na qual o brasileiro ia escolher a cor do caixão” até que ele resolveu ser candidato.

Apesar das pesquisas apontarem que se a eleição fosse hoje, Lula venceria no primeiro turno e o ex-juiz suspeito figura em quarto e quinto lugar na corrida, Moro acredita que é a alternativa.

“Uma das razões em que eu acabei escolhendo colocar o meu nome à disposição foi que eu falava com todo mundo e parecia que a gente não estava indo para uma eleição, mas sim para uma espécie de funeral na qual o brasileiro ia escolher a cor do caixão. Então tem muita gente querendo alternativa. E eu entendo que eu posso ser uma alternativa”, disse.

 

Marcelo Ramos pede desfiliação do PL, novo partido de Bolsonaro, por justa causa

Marcelo Ramos (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Vice-presidente da Câmara afirma ao TSE estar sendo alvo de perseguição, três semanas após a filiação de seu desafeto político, Jair Bolsonaro, à sigla

247 – O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos, entrou junto ao TSE com uma ação pela qual pede sua desfiliação do PL por justa causa. Ele afirma estar sendo alvo de perseguição.

“Acabo de ajuizar a ação para que o TSE reconheça meu direito de me desfiliar do PL, sem perder o mandato. A despeito de ter a carta de anuência, não quero que fique nenhuma dúvida de que minha desfiliação tem permissão constitucional e legal”, postou no Twitter, junto ao documento.

A ação acontece três semanas após a filiação de Jair Bolsonaro, seu desafeto político, ao mesmo partido.

“Com a filiação do Presidente Bolsonaro ao Partido Liberal e a consequente mudanças de rumos do partido, o Deputado Marcelo Ramos, que até então era respeitado pelo Partido Liberal em suas manifestações, passou a ser visto com descrédito e a ser alvo de perseguição pessoal e política por parte de seus membros”, diz Ramos na ação.

247

“Moro quer blindagem para fugir do seu destino que é a prisão”, diz Marco Aurélio Carvalho

Advogado Marco Aurélio de Carvalho e o ex-juiz Sérgio Moro (Foto: Brasil 247 / Divulgação)

Advogado do Prerrogativas e um dos organizadores do jantar com Lula e Alckmin diz que o ex-juiz suspeito ainda será preso pelos crimes que cometeu

247 – Em entrevista à TV 247, o jurista Marco Aurélio Carvalho, do Prerrogativas, e um dos organizadores do jantar que reuniu o ex-presidente Lula (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, neste domingo (19), afirmou que a ida oficial do ex-juiz Sergio Moro para a política é uma tentativa de garantir imunidade parlamentar para se proteger de uma eventual prisão.

“Moro está completamente desidratado, está fora do processo e buscando algum protagonismo. No fundo, talvez o Moro esteja buscando uma blindagem, uma imunidade parlamentar para sair do destino que o aguarda, que é a prisão”, frisou o jurista.

“Se eventualmente uma daquelas dez medidas contra a corrupção, que ele defendeu, estivessem valendo no Brasil, em especial a validação das provas ilícitas, ele estaria preso jogando baralho ao lado de Deltan Dallagnol e cia”, completou, admitindo o trocadilho com a palavra “CIA”.

Ataques ao jantar

Nesta segunda-feira (20), Moro foi enquadrado por diversos juristas no Twitter ao chamar o evento do Prerrogativas de “jantar comemorativo da impunidade da grande corrupção”.

“Não, assistimos a um jantar de um grupo de advogados que defende a democracia, o estado de direito e uma justiça justa e imparcial. E nesse grupo, por sinal, estão os advogados que expuseram sua parcialidade e suspeição. Você foi desmascarado, Sergio, aceita, a justiça venceu”, respondeu o advogado Augusto de Arruda Botelho.

Para Marco Aurélio, o cinismo do Moro só não é maior que seu mau-caratismo.

247

Datafolha: para 43% dos evangélicos, Lula é melhor presidente que o Brasil já teve; 19% escolhem Bolsonaro

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante entrevista. 17/12/2021 (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

Quando a pergunta se inverte – “Qual o pior presidente que já comandou o Brasil?” -, Jair Bolsonaro lidera com 35% dos evangélicos elegendo seu nome

247 – Pesquisa Datafolha aponta que 43% dos evangélicos acreditam que o ex-presidente Lula foi o melhor presidente do Brasil, contra apenas 19% que escolheram Jair Bolsonaro.

O recorte evangélico do levantamento desmonta a tese de pastores fundamentalistas, apoiadores de Bolsonaro, que afirmam que a maioria esmagadora dos seguidores da religião neopentecostal apoia o atual governo.

No patamar geral, 51% dos brasileiros de todas as religiões veem em Lula o auge do presidencialismo nacional. O segundo da lista tem 44 pontos de distância: Fernando Henrique Cardoso, com 7%, à frente de Getúlio Vargas, que recebeu 4%, empatado com Juscelino Kubitschek. Embolados com 1%, José Sarney, João Batista Figueiredo, Dilma Rousseff, Tancredo Neves (morto antes de assumir), Itamar Franco e Jânio Quadros.

Quando a pergunta se inverte – “Qual o pior presidente que já comandou o Brasil?” -, Bolsonaro lidera com 35% dos evangélicos escolhendo seu nome, e 25%, Lula. A média geral é de 48% e 18%, respectivamente. Também são mencionados Fernando Collor (8%), Dilma (7%), FHC (2%) e José Sarney (2%). A pesquisa foi feita entre 13 e 16 de dezembro.

247

Senado aprova em primeiro turno PEC da Economia Solidária

De autoria do senador Jaques Wagner (PT-BA), a Proposta de Emenda à Constituição 69/2019, conhecida como PEC da Economia Solidária, foi aprovada nesta quinta-feira (16) em primeiro turno num placar de 56 a 9, na sessão deliberativa que ocorreu durante a tarde no Senado. O projeto prevê a criação de um Sistema Nacional de Economia Solidária – movimentada através de coletivos como associações, cooperativas, grupos informais ou sociedades mercantis – para viabilizar alternativas de inovação para o trabalho de inclusão social.

Para Wagner, a inclusão da pauta na Constituição Federal “é fundamental para que se torne efetivamente uma política de Estado”. “No momento em que o mundo aumenta a desigualdade e concentra-se a renda, é necessário que tenhamos visão de outra abordagem do desenvolvimento das nações e do mundo dos negócios e das empresas”, pontuou em seu discurso no plenário.

Cerca de 30 mil empreendimentos atuam neste segmento no país e, de acordo com Wagner, são responsáveis por cerca de 2 milhões de empregos no país.

A PEC teve relatoria do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e acrescenta o inciso X ao artigo 170 da Constituição, incluindo o segmento entre os princípios da ordem econômica aos de soberania nacional, propriedade privada, livre concorrência, defesa do meio ambiente, entre outros.

O texto ainda deverá ser apreciado novamente em plenário do Senado, antes que possa ir à Câmara. Apesar dos esforços concentrados para agilizar votações antes do recesso institucional no Congresso, o presidente da Casa Rodrigo Pacheco (PSD-MG) deve incluir a pauta apenas no ano que vem para apreciação em segundo turno.

Fonte: Bahia Notícias

SAÍDA DE ALCKMIN DO PSDB FOI ANTECIPADA POR REUNIÃO COM O PSB DE SÃO PAULO

Geraldo Alckmin. Foto: Via Rápida via Flickr.

Na véspera de anunciar sua desfiliação do PSDB nesta quarta-feira (15), o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin teve uma reunião com a cúpula do PSB no estado. Estiveram na reunião o ex-governador de São Paulo Marcio França, o deputado estadual Caio França, filho de Marcio, e o secretário-geral do partido em São Paulo, Mario Luiz Guide. Os detalhes da reunião não foram inteiramente conhecidos, mas ela está sendo interpretada dentro do PSB como o passo final para que Alckmin venha de fato a se filiar ao partido para vir a ser o candidato a vice-presidente na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva, do PT.

A principal constatação é exatamente o fato de Alckmin anunciar sua desfiliação do PSDB um dia depois desse encontro.

Uma fonte do Congresso em Foco Insider contou como foi se dando ao longo deste ano a maturação da ideia de formação de uma chapa entre Lula e Alckmin. A ideia original foi de Marcio França, e no começo ela não foi levada muito a sério. Mas Alckmin foi começando a considerar a ideia como algo interessante dentro de um caminho de amadurecimento em um momento em que a democracia está em risco pelas posições radicais de certos setores ligados ao presidente Jair Bolsonaro. A chapa seria um momento de reconstrução democrática, de “ressignificação da política”. Sindicalistas ligados ao Solidariedade trabalharam também para amaciar a ideia junto a sindicalistas do PT.

No caso de Marcio França, o interesse claro é discutir, em troca, que o PT o apoie como candidato ao governo de São Paulo. No caso, o PSB negocia três hipóteses como contrapartida. Além de São Paulo, Marcelo Freixo no Rio de Janeiro e João Campos em Pernambuco. Das três hipóteses, a mais fácil parece ser Freixo no Rio.

No caso de São Paulo. França chegou a discutir com Fernando Haddad um pacto a partir do qual aquele que melhor se posicionasse a partir do ano que vem seria o candidato. Haddad resiste a esse ideia. Nessa hipótese, Haddad seria candidato ao Senado. Em Pernambuco, há os problemas partidários familiares e políticos com a petista Marilia Arraes.

Fonte: Congresso em Foco

‘Chance de chapa Lula-Alckmin é 99%’, diz França (PSB), um dos responsáveis por costurar aliança

Lula diz que pode ter Alckmin como vice em 2022: ‘Quero construir uma chapa para ganhar eleição’

Geraldo Alckmin deixou nesta quarta o PSDB após 33 anos no partido. França, junto com Haddad, foi o organizador das primeiras conversas entre os dois.

O ex-governador de São Paulo Marcio França (PSB) disse ao blog nesta quinta-feira (16) que a chance da chapa Lula-Alckmin vingar, na sua avaliação, é de “99%”.

“Conheço o Geraldo, para fazer esse movimento de saída do PSDB é porque ele está decidido. Eu diria que a chance da chapa Lula-Alckmin sair é 99%, uma questão de tempo, a não ser que haja algo diferente”.

Nesta quarta-feira (15), o ex-governador Geraldo Alckmin deixou o PSDB e se prepara para um novo projeto eleitoral em 2022.

França, junto com Fernando Haddad (PT), foi o patrocinador dessa aliança Lula-Alckmin e organizador das primeiras conversas entre os dois.

Lula e Alckmin, no entanto, querem aguardar até o início do ano que vem para dar prosseguimento a novas conversas e definições – incluindo pendências como a disputa pelo governo de São Paulo.

França, por exemplo, é candidato ao Palácio dos Bandeirantes e o PSB, seu partido, quer que Haddad concorra ao Senado.

Fonte: G1

Datafolha reconhece que espaço para terceira via foi reduzido

Análise do levantamento publicada na Folha de S.Paulo confirma o óbvio

247 – mais recente pesquisa Datafolha demonstra o favoritismo do ex-presidente Lula para vencer de lavada no primeiro turno das eleições de 2022. Análise do levantamento publicada na Folha de S.Paulo confirma o óbvio: com a cristalização dos eleitorados de Lula e Jair Bolsonaro, não resta espaço para a chamada “terceira via”.

A pesquisa mostra ainda um cenário nada animador para o atual chefe de governo. “Todos que concorreram a um novo mandato desde a redemocratização estavam na frente nas pesquisas de intenções de voto realizadas no final do ano anterior ao pleito”, lembra.

“A rejeição de parcelas do eleitorado aos dois principais nomes da disputa não é suficiente para alentar a terceira via, até porque constitui um estrato de baixo peso quantitativo”, reconhece a Folha.

247

Marqueteiro do ex-juiz suspeito Moro ganha R$ 132 mil por mês do Podemos

Sergio Moro (Foto: Ag. Brasil)

Fernando Vieira foi o responsável pelo “media training” de Moro, que não deu certo

247 – O marqueteiro do Podemos e responsável pela pré-campanha do ex-juiz parcial Sergio Moro à Presidência da República, Fernando Vieira, recebe R$ 132 mil reais mensais da legenda. Só em 2021, a consultoria do publicitário, a IV 5, recebeu R$ 1,57 milhão, mostra a prestação de contas do partido.

Vieira foi o responsável pelo “media training” de Moro, que não deu certo. O ex-juiz suspeito tem muita dificuldade para falar e, quando o faz, passa vexame, por conta do tom de voz robótico. Vieira cuida também da assessoria de imprensa, além de administrar os demais membros da sigla em nível nacional e do estado de São Paulo.

Em novembro, Vieira recebeu R$ 157 mil reais do Podemos. O valor foi maior que todo o montante pago aos dirigentes partidários da legenda, que receberam pouco mais de R$ 137 mil. A justificativa para o pagamento acima da média foi a realização de uma pesquisa de cenário nacional, que custou R$ 25 mil. (Com informações do Globo).

Fonte: 247



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia