WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia

secom bahia

embasa


(74) 99106-4031

junho 2022
D S T Q Q S S
« maio    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


:: ‘Política’

Paulo Coelho rechaça adesão a atos do MBL contra Bolsonaro: ‘Fizeram imenso mal ao país’

Foto: Divulgação

Conhecido opositor do governo federal, o escritor Paulo Coelho fez duras críticas à adesão do campo democrático brasileiro aos protestos organizados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) contra o presidente Jair Bolsonaro, neste fim de semana. 

“Que não ocorra a nenhuma pessoa de bom senso juntar-se com esses idiotas do MBL na manifestação que programam para domingo”, declarou o artista, por meio de sua conta oficial no Twitter.

O escritor afirma ainda que os integrantes do MBL “adoram posar de bons moços, mas são Aécios travestidos”, em referência ao deputado Aécio Neves (PSDB-MG), apontado pela esquerda como responsável por ajudar a derrubar Dilma Rousseff (PT), eleger Bolsonaro e promover a instabilidade no país.

“Fizeram um imenso mal ao país. Não esqueçam isso”, alertou Paulo Coelho, sobre o MBL. Ele previu também que os atos do domingo vão “flopar feio e a direita vai dançar em cima” e publicou uma foto de Arthur do Val, integrante do MBL, armado e ao lado de Eduardo Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018. “Olha a foto do Mamãe [Arthur do Val, conhecido pelo pseudônimo “Mamãe Falei”]… Vocês acham que um cara desse muda?”, questionou.

Dono da Pro Tork, fábrica de motos, amigo de Luciano Hang, mantém 10 caminhões diante do STF para atemorizar ministros

(Foto: Reprodução)

Caminhões do grupo do empresário bolsonarista Marlon Bonilha, fabricante de motos e apoiador entusiasmado das motociatas, engrossam movimento contra a democracia e pela destituição de ministros do STF

247 – O empresário Marlon Bonilha, presidente da Pro Tork, fabricante de autopeças e acessórios para motos, mantém dez caminhões do grupo estacionados em frente ao Supremo Tribunal Federal como forma de intimidar os ministros da Corte. Bonilha, que é amigo do também empresário bolsonarista Luciano Hang, já foi recebido pessoalmente por Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto em junho deste ano. Os caminhões da empresa são a evidência de que a “greve de caminhoneiros” na verdade é um movimento empresarial, um locaute.

 

Os veículos estão ornados com bandeiras do Brasil em meio a barracas e faixas pedindo a destituição de ministros do Supremo. Até o final da tarde desta quarta-feira (8), ao menos cem caminhões de apoiadores do governo de Jair Bolsonaro ocupavam a Esplanada dos Ministérios. Eles usam os veículos para pressionar pela derrubada do bloqueio que dá acesso ao STF e ao Congresso Nacional.

Os caminhões da empresa teriam deixado o local no final da manhã desta quinta-feira.

Fonte: 247

Caos bolsonarista derruba a economia, aponta André Lara Resende

(Foto: Divulgação)

Economista que foi um dos formuladores do Plano Real atribui a crise econômica ao caos institucional produzido por Jair Bolsonaro

247 – A instabilidade causada pela ofensiva do presidente Jair Bolsonaro contra as instituições democráticas é o principal fator responsável pela deterioração da situação econômica do país, afirma o economista André Lara Resende, em entrevista ao jornalista Ricardo Balthazar, publicada na Folha de S. Paulo.“[A crise] é resultado da crise política, da sensação de que o governo tem um projeto explicitamente antidemocrático e está disposto a sacrificar a economia e as instituições para colocá-lo em prática”, diz ele.

“A verdadeira âncora da inflação é a legitimidade e a credibilidade institucional do governo”, prossegue. “O que leva à perda de controle sobre as expectativas é a desorganização institucional e a perda de legitimidade do Estado. É o Estado patrimonialista, dirigido por políticos demagógicos e incompetentes, que solapa a confiança na moeda nacional.”

Lara Resende também diz que eventual elevação dos juros não terá efeito algum sobre os preços. “Nesse cenário, a elevação das taxas de juros não segura os preços, mas inibe investimentos, aumenta o custo da dívida pública e leva a mais cortes no orçamento para equilibrar as contas públicas. O mundo inteiro parou de fazer isso. Não entendo por que contestar a ortodoxia na condução da política econômica ainda é visto como algo tão perigoso no Brasil.”

“Restrições à candidatura Lula partem da Casa Branca”, diz Latuff

O cartunista e ativista afirmou em entrevista à TV 247 que o projeto golpista de Bolsonaro e dos militares recebe apoio da Casa Branca. De acordo com ele, os americanos estão interessados em dificultar a candidatura de Lula, como mostra o histórico da região. Assista

O pré-candidato do PT criticou o discurso do presidente americano sobre a América Latina: “é quase como se fosse um discurso de dominação: ‘você não pode crescer. Eles não podem ter soberania’”.

Para Latuff, os Estados Unidos atuam no sentido de impedir a autodeterminação da região, principalmente em países como Venezuela e Cuba. “Um dos pontos marcantes do governo Lula foi a política internacional, que fez com que o Brasil se destacasse bastante. O governo Lula criou o bloco econômico BRICS, se aliou à Venezuela de Hugo Chávez, que também tinha uma linha de se afastar da esfera de influência dos Estados Unidos. E os Estados Unidos começaram a trabalhar para a desestabilização desses governos. O Brasil talvez tenha sido um dos últimos a sofrer esse processo, após Venezuela, Bolívia, Paraguai, Honduras e Argentina. Então, a prisão do Lula não foi uma coisa somente local. Isso teve interesses da Casa Branca”, disse.

A interferência da Casa Branca na política brasileira se dá através dos militares, que apoiam o projeto golpista de Jair Bolsonaro, explicou o cartunista. “Costumo dizer inclusive que os militares, quando ameaçam as instituições caso o Lula seja eleito, isso também tem a ver com orientações da Casa Branca. Não é à toa que a CIA tem visitado o Brasil e se encontrado com o Bolsonaro”, completou.

Bolsonaro diz que será preso, morto ou terá êxito no golpe (vídeo)

Ele fez a afirmação em encontro com evangélicos em Goiânia e depois se corrigiu; disse que só há duas alternativas: morto ou vitorioso

247 – Jair Bolsonaro afirmou, neste sábado (28/08), que existem três alternativas para seu futuro: ser preso, morto ou ter a vitória.

Por vitória, se pode entender êxito no golpe ou vitorioso nas eleições de 2022, o que hoje se apresenta improvável, em razão das pesquisas.

Em seguida, se corrigiu, mas não muito. Disse “não existe” a chance de ser preso. A declaração ocorreu no 1° Encontro Fraternal de Líderes Evangélicos da Convenção Estadual das Assembleias de Deus Madureira (Conemad), em Goiânia.

“Eu tenho três alternativas para o meu futuro. Estar preso, ser morto ou a vitória. Podem ter certeza, a primeira alternativa, preso, não existe. Nenhum homem aqui na Terra vai me amedrontar. Tenho a consciência de que estou fazendo a coisa certa. Não devo nada a ninguém”, bradou. Bolsonaro emendou ainda que “não deseja nem provoca ruptura”, mas que “tudo tem um limite”.

O chefe do Executivo reclamou de decisões tomadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em indireta, citou o corregedor-geral do Tribunal, Luis Felipe Salomão que suspendeu o repasse da monetização de canais que propagam desinformação sobre o sistema eleitoral.

247

Manifestação de 7 de setembro não precisa de autorização, diz Constituição

Enquanto o governador João Doria tenta proibir um ato do movimento Fora Bolsonaro no 7 de setembro, a Carta de 1988 define que todos podem se reunir pacificamente sem necessidade de autorização, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

Por Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

Quando os preparativos sobre o 7 de setembro ocupam o centro do debate político em São Paulo, é conveniente retornar ao documento fundamental da nação brasileira, a Carta de 1988, para entender  a discussão.

Diz o artigo 5o, inciso XVI:

“Todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente”.

Num país que há três décadas tentava livrar-se de vinte anos de  ditadura, o inciso XVI representou aquilo que em linguagem de hoje costuma-se definir como avanço civilizatório — e tem muito a dizer sobre o Brasil de 2021.

Numa mudança gigantesca em relação ao período anterior, quando sicários do regime fuzilavam manifestantes nas ruas, a Constituição deixa claro que, a partir de sua promulgação, em 1988, o país decidira viver em outro tempo histórico, construindo  uma nação  onde a liberdade de manifestação é um direito universal, que todo brasileiro carrega consigo, sem necessidade de pedir licença a ninguém — muito menos ao aos governantes — para que possa ser exercido.

Basta, diz o texto, que se faça um prévio aviso à autoridade competente, exigência que atende ao interesse coletivo de proteger o direito de manifestação de outra reunião “anteriormente convocada para o mesmo local”.

Em nenhum momento, porém, os governantes têm o prerrogativa de proibir uma manifestação, protegida por noções democráticas que a humanidade já começara a desenvolver com dois séculos de antecedência — como a Declaração de Independência dos Estados Unidos, de 1776, ou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789, marco da Revolução Francesa.

É sempre bom recordar. Para o norte-americano Thomas Jefferson, a Liberdade era um direito inalienável, auto evidente   “como a própria Vida, a Liberdade e a busca da Felicidade”.

Treze anos mais tarde, sem mencionar nenhuma vez o Rei, a Nobreza ou a Igreja, personagens e instituições de uma ordem que começava a ser derrotada, a Assembleia Nacional Francesa elaborou seu próprio texto, onde afirma que “os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos”.

Um século e meio mais tarde, com a memória dos horrores do nazi-fascismo, o artigo 1o da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU disse que “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos”.

Encontra-se aqui uma das matrizes essenciais do artigo 5o da Constituição brasileira de 1988. É ali que se afirma que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se o direito à vida, à liberdade, à segurança e à propriedade”.  Também ali se reconhece o direito de manifestação, “independentemente de autorização”, como sublinha o inciso XVI.

No país de Bolsonaro, a questão real é outra e foi revelada pelo Estado de São Paulo (28/8/2021). Diante da cláusula que diz que todos podem reunir-se “pacificamente, sem armas”, cabe perguntar como fica a participação de soldados e oficiais da PM que anunciam sua presença nos atos de 7 de setembro, em São Paulo e Brasília, num gesto de apoio a Bolsonaro.

Não pode, dizem os Ministérios Públicos de São Paulo e de Brasília, que já entraram com ação cobrando providências junto à Corregedoria da PM. “Não há hipótese de se poder comparecer enquanto militar da ativa, do ponto do vista do regulamento em vigor,” afirma o procurador Pedro Falabella, que atua no TJM. “Mesmo sem farda e em horário de folga, o PM está submetido ao regulamento disciplinar”.

Alguma dúvida?

 

Vaxxinity: Flávio Bolsonaro teria participado de negociação paralela de vacina contra Covid-19

Flávio Bolsonaro (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)

Negociação teria acontecido durante uma viagem em junho deste ano, conforme indicam emails revelados pela IstoÉ

Brasil de Fato – O senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente da República, teria participado de uma negociação paralela para a compra  de uma vacina americana, a Vaxxinity, ainda em fase de testes. A vacina não tem aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou de qualquer agência sanitária estrangeira.

A negociação teria acontecido durante uma viagem do parlamentar em junho deste ano aos EUA, conforme indica uma troca de emails obtida pela revista IstoÉ.

Flávio Bolsonaro estava nos EUA acompanhando no ministro das Comunicações entre os dias 7 e 10 de junho deste ano, onde cumpriram agenda em Nova York e na capital Washington. No dia 9, o filho do presidente recebeu um email do advogado Stelvio Bruni Rosi, endereçado ao seu gabinete, com o título “Flávio Bolsonaro — Vacina Covid-19 — Reunião USA com Empresa Laboratório Americano”.

“Senador Flávio Bolsonaro, estivemos juntos na festa em Washington onde foi conversado sobre a vacina da empresa/laboratório/fabricante americana Vaxxinity (antiga Covaxx and United Neuroscience do Grupo UBI — United Biomedical Inc). Solicitamos reunião entre o senhor e a Vaxxinity nos EUA ainda hoje ou amanhã (ou enquanto estiver nos USA). Oportunidade para o governo obter preferência para solicitar a reserva de lote de vacinas estabelecendo negociação prioritária com a Vaxxinity”, diz a mensagem publicada pela revista IstoÉ.

Segundo a publicação, a mensagem de Stelvio foi encaminhada pelo gabinete do senador ao secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, que havia assumido o cargo em março, no lugar do coronel Élcio Franco, investigado pela CPI da Covid.

“Prezado senhor, por ordem do senador Flávio Bolsonaro, retransmito a V.Sa. a mensagem a seguir, tendo em vista eventual interesse desse ministério em realizar contato e obter informações”, diz o email enviado pela funcionária do gabinete de Flávio, Branca de Neves José Luiz.

247

Bolsonaro diz que não vai “aceitar passivamente” decisões do STF

Bolsonaro disse ser contra as prisões de Roberto Jefferson e blogueiros bolsonaristas

247 – Jair Bolsonaro criticou nesta segunda-feira (23)  as prisões do ex-deputado Roberto Jefferson no último dia 13 e do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), ambas determinadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Bolsonaro voltou a ameaçar o STF e disse que não pode “aceitar passivamente isso”.

Em entrevista à Rádio Regional FM 91, de Registro (SP), Bolsonaro disse que as prisões de Roberto Jefferson, do deputado Daniel Silveira e do blogueiro Oswaldo Eustáquio, colocariam em risco a liberdade de expressão.

“A gente não pode aceitar passivamente isso, dizendo: ah, não é comigo. Vai bater na tua porta”, disse Bolsonaro.

De acordo com informações de O Antagonista, Bolsonaro ainda afirmou na entrevista que irá participar dos atos bolsonaristas no dia 07 de setembro.

“Eu estou sendo convidado para este movimento. No dia 7, pretendo estar aqui em Brasília por volta das 10h, e por volta das 15h30 na Paulista. O povo tem o direito a se manifestar”, disse.

Doria afasta coronel que fez ataques a ele, ao Supremo e defendeu golpe

Governador de São Paulo, João Doria, e o coronel Aleksander Lacerda (Foto: Governo do Estado de São Paulo | Divulgação)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afastou nesta segunda-feira (23) o chefe do Comando de Policiamento do Interior-7, coronel Aleksander Lacerda, responsável por ataques a ele, ao STF e também por manifestar posição favorável a um golpe no país

247 – O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afastou nesta segunda-feira (23) o chefe do Comando de Policiamento do Interior-7, coronel Aleksander Lacerda, por indisciplina. A informação foi publicada pela coluna de Lauro Jardim. O comandante fez convocações para atos bolsonaristas marcados para o dia 7 de setembro. Além disso, o  coronel atacou o Supremo Tribunal Federal (STF) ao afirmar que sente “nojo” da instituição. Disse que Doria seria uma “cepa indiana”.

Lacerda acusou o deputado Rodrigo Maia, recém-nomeado secretário de Projetos e Ações Estratégicas do Estado, como beneficiário de um esquema “mafioso”.

O coronel também fez manifestações favoráveis a um golpe: “liberdade não se ganha, se toma”.

Leia a reportagem do 247 sobre a insubordinação do coronel:

247 – Chefe do Comando de Policiamento do Interior-7 (CPI-7), o coronel Aleksander Lacerda está convocando seus “amigos” para o ato de apoiadores de Jair Bolsonaro marcado para o dia 7 de setembro em Brasília (DF). O militar atacou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), ao chamar o parlamentar de “covarde”. Também disse que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é uma “cepa indiana” e o deputado Rodrigo Maia, recém-nomeado secretário de Projetos e Ações Estratégicas do Estado, foi qualificado como beneficiário de um esquema “mafioso”. As informações foram publicadas pelo jornal O Estado de S.Paulo.

O coronel tem sob suas ordens 7 batalhões da PM paulista. É uma tropa de cerca de 5 mil homens em 78 cidades da região de Sorocaba, sede do CPI-7 As manifestações do coronel refletiram a contaminação do bolsonarismo na PM paulista. O temor é que Bolsonaro use as PMs para tentar uma ruptura institucional. Doria e o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), anunciaram no sábado (21) um encontro para esta segunda-feira (23) entre 24 governadores para discutir a defesa das instituições democráticas.

O coronel Lacerda fez suas manifestações no Facebook. Em 16 de agosto, postou “liberdade não se ganha, se toma. Dia 7/9 eu vou”.

No dia 20, o coronel publicou mensagem dizendo que “nenhum liberal de talco no bumbum” consegue “derrubar a hegemonia esquerdista no Brasil”. “Precisamos de um tanque, não de um carrinho de sorvete”.

Sobre o dia 7 de Setembro, compartilhou a mensagem: “caldo vai esquentar”.

Entre os dia 1.º e 22 de agosto, o coronel publicou 148 críticas e ofensas à atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e de seus ministros. O coronel disse em 5 de agosto: “Sinto nojo do STF”. Alexandre de Moraes foi retratado em uma publicação como um bigode do ditador Adolf Hitler.

Em nota, a PM informou ser “uma instituição de Estado legalista, que tem o dever e a missão de defender a Constituição e os valores democráticos do País”.

“Postagens e opiniões expressadas por PMs em contas privadas de redes sociais, eventos oficiais públicos e na mídia em geral, quando atentarem contra as normas vigentes e tomarem contornos de ilegalidade, serão punidas com rigor. O conteúdo citado pela reportagem passa por análise criteriosa da Corregedoria”, disse.

247

Movimento Fora Bolsonaro contesta decisão de Doria e mantém manifestação na Paulista em 7 de setembro

Coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, e o governador João Doria (Foto: Roberto Parizotti | Reprodução/Twitter | GOVSP)

De acordo com o coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, há uma representação no Ministério Público e um pedido de reunião com o governo João Doria com o objetivo de manter para o dia 7 de setembro o ato contra Jair Bolsonaro na Avenida Paulista, onde os bolsonaristas marcaram um ato golpista

247 – Militantes dos movimentos Fora Bolsonaro e Grito dos Excluídos mantiveram o protesto para 7 de setembro na Avenida Paulista (SP), onde acontecerá no mesmo dia manifestações bolsonaristas de cunho golpista. O governo João Doria (PSDB) decidiu que o local será ocupado somente por bolsonaristas no feriado, uma maneira de evitar conflitos entre apoiadores e críticos de Jair Bolsonaro. Mas, de acordo com o coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, há uma representação no Ministério Público e um pedido de reunião com o executivo estadual para mostrar que foi ignorada decisão judicial sobre regras para a realização de atos na avenida. Questionado sobre onde ocorrerá o ato, ele foi taxativo: “Na Paulista”.

Segundo informações da coluna de Chico Alves, no portal Uol, o dirigente da CMP disse que o governo Doria fez interpretação equivocada da decisão judicial sobre alternância de datas para cada grupo político. “O 11º Batalhão da Polícia Militar argumenta que no dia 24 de julho, quando realizamos nossa última grande manifestação, um sujeito que não se sabe o nome teria comunicado que faria um ato na Paulista no dia 7”, disse Bonfim. “Esse cara sumiu e a PM está interpretando que houve duplicidade. Não é possível uma pessoa só causar duplicidade em relação à demanda feita por centenas de entidades”, complementou.

O governo estadual anunciou que os movimentos anti-Bolsonaro poderão realizar atos no dia 12 de setembro. “A gente não tem nada a ver com o dia 12, isso não está em questão”, disse Bonfim. “Nós estamos achando muito estranho o governo falar no dia 12. O governador quer reatar com MBL, com o Vem Pra Rua (organizadores do ato previsto para essa data)?”, questionou.

A Central de Movimentos Populares enviou ao procurador-geral de Justiça de São Paulo representação para “garantir o direito de reunião e manifestação dos autores”.
247


WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia