WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

bahia gas

secom bahia

secom bahia

embasa


(74) 99106-4031

fevereiro 2024
D S T Q Q S S
« dez    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829  


:: ‘Política’

Dirigentes do Psol dizem que apoio a Lula em 2022 não está garantido

Partido pretende condicionar apoio ao ex-presidente a reciprocidade em São Paulo, em torno da candidatura de Guilherme Boulos, e a compromissos na agenda econômica

247 – “Dirigentes do PSOL afirmam que o apoio do partido a Lula ainda não está garantido —embora o PT já considere a adesão como favas contadas. Há pedras ainda no caminho, dizem psolistas. Algumas delas seriam programáticas: o PSOL quer que Lula incorpore a seu programa propostas como a taxação das grandes fortunas e a revogação do teto de gastos”, informa a jornalista Mônica Bergamo, em sua coluna na Folha de S. Paulo.

“A outra seria o eventual apoio dos petistas a candidaturas do partido em alguns estados —como a de Guilherme Boulos em São Paulo. O PT, no entanto, já está em pré-campanha pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT-SP)”, prossegue.

247

Michelle e Flávio Bolsonaro direcionaram mais de R$ 50 milhões em publicidade e patrocínio da Caixa

Michele Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro (Foto: Divulgação)

O senador Flávio Bolsonaro seria o responsável pelo direcionamento de cerca de 57% dos R$ 87,5 milhões investidos pelo banco em patrocínios entre janeiro e agosto de 2021. A primeira-dama aplicou o direcionamento de patrocínios em ONGs

247 – A primeira-dama Michelle Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) atuaram em um esquema que direcionou mais de R$ 50 milhões em verbas de publicidade e patrocínio da Caixa Econômica Federal (CEF). O parlamentar seria o responsável pelo direcionamento de cerca de 57% dos R$ 87,5 milhões investidos pelo banco em patrocínios entre janeiro e agosto de 2021. A primeira-dama aplicou o direcionamento de patrocínios em Organizações Não Governamentais (ONGs) que têm ligação com igrejas evangélicas. A informação foi publicada pela revista Crusoé.

Um dos beneficiados pelo direcionamento de recursos foi a Confederação Brasileira de Ginástica, presidida por Maria Luciene Cacho Resende e representada por Ricardo Cacho Resende, filho dele e amigo de Flávio. A entidade recebeu patrocínio de R$ 30 milhões, o maior repassado pela entidade neste ano.

No caso de Michelle, a primeira-dama aplicou o direcionamento de patrocínios em ONGs que têm ligação com igrejas evangélicas.

A Associação Beneficente Criança Cidadã, por exemplo, recebeu R$ 1,75 milhão em 2019 e R$ 2,2 milhões em abril deste ano. O primeiro deles foi creditado um mês após encontro de Myrna Salsa da Nóbrega Targino, presidenta da ONG, com Michele, em novembro de 2019.

Em troca, a primeira-dama recebeu o título de “madrinha” da entidade.

247

Bolsonaro desiste de Mendonça e avisa que não indicará Aras ao STF

“A decisão explicaria a desenvoltura com que a PGR passou a agir em temas sensíveis para o bolsonarismo”, escreve o jornalista Rodrigo Vianna. “Nos bastidores da política, o quadro está sendo definido assim: ‘Aras agora está livre'”

O Procurador Geral da República, Augusto Aras, tem procurado interlocutores na política e na mídia para dar a notícia: Jair Bolsonaro desistiu definitivamente de ter o terrivelmente evangélico André Mendonça no STF, e já avisou que o próprio Aras perdeu a condição de “segunda opção” para a vaga.

A decisão explicaria a desenvoltura com que a PGR passou a agir em temas sensíveis para o bolsonarismo. Aras, por exemplo, acaba de pedir ao Supremo que seja mantida a quebra de sigilo fiscal de Frederick Wassef, advogado do senador Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas e responsável por esconder o arquivo ambulante Fabrício Queiroz em Atibaia (SP).

Nos bastidores da política, o quadro está sendo definido assim: “Aras agora está livre”. O PGR passa a atuar sem compromissos com o Palácio do Planalto, encerrando a fase de  vergonhosa submissão.

Bolsonaro fez chegar aos meios jurídicos que pensa em dois nomes para o lugar do moribundo André Mendonça: Luiz Felipe Salomão, ministro do STJ, ou William Douglas (desembargador federal no Rio, e também evangélico).

A nova nomeação para o STF pode ser entendida como parte do acordo em que Bolsonaro recua de posições mais espetaculosas, para salvar o mandato e o pescoço dos filhos. O presidente desiste de impor um nome ao Supremo, aceita negociar um ministro mais palatável, salvando as relações com o Senado e com os partidos conservadores. Mas, ao mesmo tempo, abre um flanco perigoso na PGR.

Se é verdade que Aras agora está livre e cheio de apetite, isso acontece exatamente na hora em que a CPI entregará à PGR material para um banquete de ações contra o presidente e seus filhotes.

247

Fora Bolsonaro: brasileiros vão às ruas neste sábado em 317 atos confirmados

A coordenação da campanha Fora Bolsonaro totalizou neste último levantamento 317 atos em 305 cidades e 18 países contra o governo de Jair Bolsonaro, em defesa da democracia, da soberania, da geração de emprego e renda

247, CMP – A coordenação da campanha Fora Bolsonaro totalizou neste último levantamento 317 atos em 305 cidades e 18 países contra o governo de Jair Bolsonaro, em defesa da democracia, da soberania, da geração de emprego e renda.

Para o coordenador nacional da Central de Movimentos Populares, Raimundo Bonfim, “as mobilizações de ruas são fundamentais para dar um ultimato ao presidente da Câmara, Arthur Lira, para instalar o processo de impeachment na Câmara dos Deputados. Neste sábado seremos milhares defendendo a democracia e denunciando os crimes e desmandos de Bolsonaro, que têm levado o povo à fome e à miséria”.

A manifestação nacional contra Jair Bolsonaro marcada para este sábado, 2, reunirá 21 partidos políticos, sociedade civil, movimentos populares, além de ativistas e artistas, no país. As lideranças políticas dos partidos PT, Cidadania, DEM, MDB, PC do B, PDT, PL, Podemos, Solidariedade, PSD, PSB, PSDB, PSL, PSOL, PV, Rede, UP, PCB, PSTU, PCO e Novo confirmaram participação.

 

Carlos e Eduardo buscam terceirizar a empresas americanas disparos de fake news nas redes

A terceirização do serviço de disparo de mensagens para o exterior dificultaria a fiscalização dos órgãos judiciais

247 – O chefe do “gabinete do ódio”, Carlos Bolsonaro, está empenhado em terceirizar o serviço de disparo de mensagens em redes sociais a favor da eleição do pai, Jair Bolsonaro, para empresas dos Estados Unidos. Reportagem do UOL revela que o vereador vem articulando a ação com seu irmão, Eduardo Bolsonaro, e com o propagandista de Donald Trump, Steve Bannon.

A conexão com os americanos estaria sendo feita por Eduardo. O inquérito das fake news no STF investiga a ligação entre os dois. No mês passado, eles se encontraram.

Representantes brasileiros procuraram há duas semanas as empresas para auxiliar na campanha, antes dos atos do 7 setembro. Pelo menos uma delas rejeitou oferecer o serviço, segundo a reportagem.

A terceirização do serviço de disparo de mensagens para o exterior dificultaria a fiscalização dos órgãos judiciais.

247

Globo segue Folha e ataca documentário de Joaquim de Carvalho

(Foto: Reprodução)

Filme “Bolsonaro e Adélio – uma fakeada no coração do Brasil”, provoca reações na mídia corporativa, embora Jair Bolsonaro não tenha contestado o conteúdo da produção de Joaquim de Carvalho

247 – O documentário “Bolsonaro e Adélio – Uma fakeada no coração do Brasil”, que superou 1 milhão de visualizações nesta sexta-feira, 17, segue provocando mais incômodo na mídia corporativa brasileira do que em Jair Bolsonaro, que não contestou o conteúdo da reportagem de Joaquim de Carvalho. Agora foi a vez do jornal O Globo publicar uma matéria contra o filme do jornalista publicado na TV 247.

Embora a reportagem critique parlamentares do PT por compartilhar um vídeo assistido por mais de 1 milhão de brasileiros, o Globo não menciona que o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) propôs a CPI da Fakeada, por acreditar que o episódio foi forjado, e que a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) declarou que Jair Bolsonaro disse a ela que venceria a eleição se recebesse uma facada, antes do episódio de Juiz de Fora.

Assim como a Folha de S.Paulo – que tentou intimidar o jornalista Joaquim de Carvalho enviando-lhe perguntas que mais pareciam um inquérito policial e publicou uma reportagem contra o documentário sem obter as respostas -, o jornal O Globo também divulgou a versão oficial dos acontecimentos.

“A Polícia Federal (PF) concluiu que não houve mandantes para o ataque a faca contra Bolsonaro em Juiz de Fora (MG). De acordo com a investigação, coordenada pelo delegado Rodrigo Morais Adélio Bispo de Oliveira, agiu sozinho, por iniciativa própria e sem ajuda de terceiros, tendo sido responsável tanto pelo planejamento da ação criminosa quanto por sua execução”, destacou o Globo.

É justamente essa versão que o documentário de Joaquim de Carvalho questiona, mostrando incoerências no caso, revelando fatos que precisam ser esclarecidos. É neste sentido que o jornalista defende que sejam reabertas as investigações sobre a suposta facada em Bolsonaro durante a campanha eleitoral.

Além da Folha e do Globo, um jornalista do The Intercept também atacou o documentário. “Querem claramente politizar o caso, mas eu aceito debater com qualquer jornalista sério que queria discutir os fatos trazidos no documentário”, diz Joaquim de Carvalho.

Fonte: 247

Paulo Coelho rechaça adesão a atos do MBL contra Bolsonaro: ‘Fizeram imenso mal ao país’

Foto: Divulgação

Conhecido opositor do governo federal, o escritor Paulo Coelho fez duras críticas à adesão do campo democrático brasileiro aos protestos organizados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) contra o presidente Jair Bolsonaro, neste fim de semana. 

“Que não ocorra a nenhuma pessoa de bom senso juntar-se com esses idiotas do MBL na manifestação que programam para domingo”, declarou o artista, por meio de sua conta oficial no Twitter.

O escritor afirma ainda que os integrantes do MBL “adoram posar de bons moços, mas são Aécios travestidos”, em referência ao deputado Aécio Neves (PSDB-MG), apontado pela esquerda como responsável por ajudar a derrubar Dilma Rousseff (PT), eleger Bolsonaro e promover a instabilidade no país.

“Fizeram um imenso mal ao país. Não esqueçam isso”, alertou Paulo Coelho, sobre o MBL. Ele previu também que os atos do domingo vão “flopar feio e a direita vai dançar em cima” e publicou uma foto de Arthur do Val, integrante do MBL, armado e ao lado de Eduardo Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018. “Olha a foto do Mamãe [Arthur do Val, conhecido pelo pseudônimo “Mamãe Falei”]… Vocês acham que um cara desse muda?”, questionou.

Dono da Pro Tork, fábrica de motos, amigo de Luciano Hang, mantém 10 caminhões diante do STF para atemorizar ministros

(Foto: Reprodução)

Caminhões do grupo do empresário bolsonarista Marlon Bonilha, fabricante de motos e apoiador entusiasmado das motociatas, engrossam movimento contra a democracia e pela destituição de ministros do STF

247 – O empresário Marlon Bonilha, presidente da Pro Tork, fabricante de autopeças e acessórios para motos, mantém dez caminhões do grupo estacionados em frente ao Supremo Tribunal Federal como forma de intimidar os ministros da Corte. Bonilha, que é amigo do também empresário bolsonarista Luciano Hang, já foi recebido pessoalmente por Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto em junho deste ano. Os caminhões da empresa são a evidência de que a “greve de caminhoneiros” na verdade é um movimento empresarial, um locaute.

 

Os veículos estão ornados com bandeiras do Brasil em meio a barracas e faixas pedindo a destituição de ministros do Supremo. Até o final da tarde desta quarta-feira (8), ao menos cem caminhões de apoiadores do governo de Jair Bolsonaro ocupavam a Esplanada dos Ministérios. Eles usam os veículos para pressionar pela derrubada do bloqueio que dá acesso ao STF e ao Congresso Nacional.

Os caminhões da empresa teriam deixado o local no final da manhã desta quinta-feira.

Fonte: 247

Caos bolsonarista derruba a economia, aponta André Lara Resende

(Foto: Divulgação)

Economista que foi um dos formuladores do Plano Real atribui a crise econômica ao caos institucional produzido por Jair Bolsonaro

247 – A instabilidade causada pela ofensiva do presidente Jair Bolsonaro contra as instituições democráticas é o principal fator responsável pela deterioração da situação econômica do país, afirma o economista André Lara Resende, em entrevista ao jornalista Ricardo Balthazar, publicada na Folha de S. Paulo.“[A crise] é resultado da crise política, da sensação de que o governo tem um projeto explicitamente antidemocrático e está disposto a sacrificar a economia e as instituições para colocá-lo em prática”, diz ele.

“A verdadeira âncora da inflação é a legitimidade e a credibilidade institucional do governo”, prossegue. “O que leva à perda de controle sobre as expectativas é a desorganização institucional e a perda de legitimidade do Estado. É o Estado patrimonialista, dirigido por políticos demagógicos e incompetentes, que solapa a confiança na moeda nacional.”

Lara Resende também diz que eventual elevação dos juros não terá efeito algum sobre os preços. “Nesse cenário, a elevação das taxas de juros não segura os preços, mas inibe investimentos, aumenta o custo da dívida pública e leva a mais cortes no orçamento para equilibrar as contas públicas. O mundo inteiro parou de fazer isso. Não entendo por que contestar a ortodoxia na condução da política econômica ainda é visto como algo tão perigoso no Brasil.”

“Restrições à candidatura Lula partem da Casa Branca”, diz Latuff

O cartunista e ativista afirmou em entrevista à TV 247 que o projeto golpista de Bolsonaro e dos militares recebe apoio da Casa Branca. De acordo com ele, os americanos estão interessados em dificultar a candidatura de Lula, como mostra o histórico da região. Assista

O pré-candidato do PT criticou o discurso do presidente americano sobre a América Latina: “é quase como se fosse um discurso de dominação: ‘você não pode crescer. Eles não podem ter soberania’”.

Para Latuff, os Estados Unidos atuam no sentido de impedir a autodeterminação da região, principalmente em países como Venezuela e Cuba. “Um dos pontos marcantes do governo Lula foi a política internacional, que fez com que o Brasil se destacasse bastante. O governo Lula criou o bloco econômico BRICS, se aliou à Venezuela de Hugo Chávez, que também tinha uma linha de se afastar da esfera de influência dos Estados Unidos. E os Estados Unidos começaram a trabalhar para a desestabilização desses governos. O Brasil talvez tenha sido um dos últimos a sofrer esse processo, após Venezuela, Bolívia, Paraguai, Honduras e Argentina. Então, a prisão do Lula não foi uma coisa somente local. Isso teve interesses da Casa Branca”, disse.

A interferência da Casa Branca na política brasileira se dá através dos militares, que apoiam o projeto golpista de Jair Bolsonaro, explicou o cartunista. “Costumo dizer inclusive que os militares, quando ameaçam as instituições caso o Lula seja eleito, isso também tem a ver com orientações da Casa Branca. Não é à toa que a CIA tem visitado o Brasil e se encontrado com o Bolsonaro”, completou.



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia