WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia

secom bahia

embasa


(74) 99106-4031

junho 2022
D S T Q Q S S
« maio    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


:: ‘Brasil’

PT pede cassação do mandato de Kim Kataguiri por apologia ao nazismo

Deputados Kim Kataguiri, Gleisi Hoffmann e Reginaldoi Lopes (Foto: ABr)

Partido afirmou que o deputado fez “escancarada apologia ao nazismo” e sem “qualquer fundamento ou respaldo no direito de livre manifestação e expressão”

247 – O PT formalizou nesta quarta-feira (9), no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, o pedido de cassação do deputado federal Kim kataguiri (SP), após o parlamentar defender que o nazismo não deve ser criminalizado no Brasil, na última segunda-feira (7), durante participação no Flow Podcast. o documento foi assinado pela presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), e pelo deputado Reginaldo Lopes (MG), líder do partido na Casa.

De acordo com a representação, “trata-se de escancarada apologia ao nazismo, que não encontra qualquer fundamento ou respaldo no direito de livre manifestação e expressão, na medida em que na ponderação de colisões entre direitos fundamentais, que não ostentam a condição de absolutos, a defesa da vida e da dignidade humana deve prevalecer sobre essas compreensões de ódio que ainda teimam em florescer em nossa sociedade”.

“A sociedade brasileira e a comunidade internacional ficaram perplexas e revoltadas, quando em determinado momento do programa, o Apresentador defendeu abertamente, de forma criminosa, a legalização de um partido nazista no Brasil”, disse.

“Ora, defender a doutrina nazista, que prega o ódio, a intolerância e o extermínio de parcela consideravam de seres humanos, numa abominável perspectiva de supremacia, não apenas atenta contra os princípios e valores albergados na Constituição da República Federativa do Brasil e em diversos tratados internacionais de Direitos Humanos a que o Estado brasileiro aderiu e internalizou, como ofende e menoscaba a memória das milhares de vítimas dessa compreensão soez de sociedade ou de política, que jamais deveria ser considerada como plausível por um Deputado Federal, quanto mais por ele defendida”.

Entenda o caso

O deputado manifestou o seu posicionamento ao concordar com o apresentador Monark, que defendeu permissão na legislação brasileira para a existência de um partido nazista.

Após o episódio, Monark foi demitido do Flow Podcast, que também perdeu patrocínios por causa do posicionamento do youtuber.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) determinou nessa terça-feira (8) a apuração de suposta apologia ao nazismo cometido por Kim.

247

Monark é desligado do Flow Podcast

Monark (esquerda) e Igor (direita) do Flow Podcast (Leandro Fonseca/Exame)

Após defender a formalização de um partido nazista junto à Justiça Eleitoral brasileira, o apresentador teve sua saída anunciada pelo Estúdios Flow e não será mais sócio da empresa

Após defender a formalização de um partido nazista junto à Justiça Eleitoral brasileira, o apresentador do Flow Podcast, Monark, foi desligado dos Estúdios Flow. A fala foi dita durante o programa desta segunda-feira, 7, que recebeu os deputados federais Tabata Amaral (PSB-SP) e Kim Kataguiri (DEM-SP).

“Eu sou mais louco do que vocês. Eu acho que tinha de ter partido nazista reconhecido pela lei”, disse Monark, que saiu em defesa do “direito” de ser antissemita.  A opinião do brasileiro vai contra os princípios básicos da Constituição, como a promoção do “bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

A conversa viralizou nas redes sociais e os usuários passaram a pressionar os patrocinadores descritos no site do Flow. A patrocinadora Flash Benefícios anunciou que iria solicitar o encerramento formal da relação contratual com o Flow e outras marcas (que não tinham mais associação com o podcast, mas estavam no site) também se manifestaram.

No início da tarde desta terça-feira, 8, Monark publicou um vídeo em suas redes sociais pedindo desculpa e afirmando que “errou”. O apresentador justificou que estava bêbado durante o programa.

“Fui defender uma ideia, que é uma ideia que acontece em outros lugares do mundo, nos Estados Unidos, por exemplo. Mas eu defendi minha ideia de uma maneira burra, eu estava bêbado”. Ele também reconheceu que foi “insensível” com a comunidade judaica, mas também pediu compreensão do público.

Algumas horas depois, o Flow Podcast soltou uma nota anunciando a saída do apresentador:

“Reforçamos nosso comprometimento com a Democracia e Direitos Humanos, portanto, o episódio 545 foi tirado do ar. Comunicamos também a decisão que a partir deste momento, o youtuber Bruno Aiub @Monark, está desligado dos Estúdios Flow”.

Monark continua sócio?

A nota dos Estúdios Flow não deixa clara se o desligamento inclui todo o envolvimento de Monark com o Flow ou somente seu posto como apresentador, já que ele também é sócio.

EXAME entrou em contato com Sergio Coelho, diretor dos Estúdios Flow, para perguntar se a participação societária do Monark continua, e recebeu uma confirmação de que o curitibano deixou a sociedade:

“Monark saiu, sim, da participação societária, mas você deve imaginar que não é uma parada que acontece do dia pro outro. Não é simples assim. Os advogados têm que agir, fazer um monte de coisa, mexer em um monte de pasta”, disse Coelho em áudio.

Fonte: Exame

PSB na Câmara pede federação com o PT, mas tenta ampliar poder de decisão na aliança

O presidente do PSB, Carlos Siqueira. Foto: Divulgação/PSB

19 dos 30 deputados socialistas defendem a candidatura do ex-presidente Lula (PT) para ‘retomar a economia, a estabilidade política e o compromisso social com os brasileiros’.

19 deputados do PSB publicaram nesta quarta-feira 9 uma enfática defesa da federação com o PT, o PCdoB e o PV, já para as eleições de 2022. No documento, afirmam que a federação “é a base da unidade das forças democráticas” para vencer o pleito deste ano, “para eleger maior número de parlamentares alinhados com o seu Programa de Governo e dar garantias para a governabilidade”.

O grupo ressalta, porém, a necessidade de que “a Assembleia de Direção da Federação seja equilibrada e incorpore o peso do número de prefeitos e vereadores de cada partido”. Os deputados alegam que “o PSB não quer ser maior do que é, mas também não pode ter o seu tamanho reduzido”.

Trata-se de um ponto de divergência entre as siglas. No fim de janeiro, uma reunião entre lideranças dos quatro partidos levantou a composição de uma assembleia que seria formada por 50 membros, divididos de acordo com o peso de cada sigla na Câmara: 27 do PT, 14 do PSB, 5 do PCdoB e 4 do PV. Nesta equação não entrariam prefeitos e vereadores, como demandam os deputados do PSB.

Os socialistas ainda pedem que, “para impedir qualquer tipo de hegemonismo nas decisões internas e a fim de promover o consenso como método fundamental de resolução em caso de divergências, seja instituído o poder de veto aos partidos minoritários”.

Em relação às eleições municipais de 2024, os pessebistas defendem que “se estabeleça a figura das candidaturas natas aos prefeitos dos partidos que compõem a federação e que tiverem o direito de disputar a sua reeleição”.

A carta endossa a candidatura do ex-presidente Lula (PT), líder das pesquisas de intenção de voto, a fim de “retomar a economia, a estabilidade política e o compromisso social com os brasileiros e enfrentar a dor desumana e inaceitável da fome e da pobreza, através da geração de empregos, fortalecimento dos serviços públicos e distribuição de renda”.

Dos 30 deputados do PSB, 11 não assinaram o texto. Eis os signatários, de acordo com o documento divulgado:

Federação progride: PT e PSB avançam no entendimento das chapas estaduais

Partidos debatem a formação da federação (Foto: Humberto Pradera/PSB)

Sobre o impasse em São Paulo, onde a proposta da federação formada pelo PT, PSB, PCdoB e PV possui duas candidaturas, a estratégia seria indicar o candidato mais bem colocado na intenção de votos

Os debates em torno da formação da federação de partidos entre PT, PSB, PCdoB e PV estão avançando nos estados, principalmente no entendimento sobre a composição de chapas locais. É o caso da disputa ao governo de São Paulo que possui duas candidaturas desse campo: o ex-governador Márcio França (PSB) e Fernando Haddad (PT).

Como a federação só pode ter um candidato, França diz que a melhor estratégia é indicar o candidato mais bem colocado na intenção de votos. “O PT topou, o Lula topou, a Glesi (Hoffmann) topou (…) O Haddad deve vir a topar também”, disse o ex-governador à GloboNews.

“Em julho ou maio, quem estiver na frente é o candidato a governador, e o outro vai compor a chapa do jeito que der”, completou. Para avançar ainda mais, o PSB aguarda a filiação do ex-governador Geraldo Alckmin que se articula para concorrer ao Planalto como vice de Lula.

No Rio, o PT deve declarar apoio ao deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ). Em outro aceno ao PSB, o líder do PT no Senado Humberto Costa (PE), confirmou na semana passada que pode abrir mão da pré-candidatura ao governo de Pernambuco.

No Maranhão, o PT tinha, por sua vez, Carlos Brandão (PSDB), vice-governador escolhido por Flávio Dino (PSB) para sua sucessão. Brandão deixa o PSDB e se filia ao PSB.

Sobre os palanques estaduais, o PSB já apoia o PT para quatro governos estaduais: candidatos ao governo na Bahia, no Piauí, em Sergipe e no Rio Grande do Norte. Por outro lado, os petistas acenaram positivamente para o apoio em Pernambuco e Rio de Janeiro. O PSB apresentou as demandas de São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo.

Com informações do UOL

PT vai lançar em março podcast voltado aos evangélicos

(Foto: Ricardo Stuckert | Rovena Rosa/Agência Brasil)

O pastor Paulo Marcelo, da Assembleia de Deus-Ministério do Belém, participará da iniciativa

247 – O PT vai lançar em março um podcast e um programa de entrevistas destinados ao público evangélico. Os episódios serão transmitidos pela TVT e pelas redes sociais, informa reportagem do Estado de S.Paulo.

Os evangélicos representam cerca de 30% do eleitorado. “A gente ainda tem de andar bastante, por mais que tenhamos melhorado, investido, o pessoal da extrema direita tem uma rede mais capilarizada do que nós”, disse a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, no mês passado.

O pastor Paulo Marcelo, da Assembleia de Deus-Ministério do Belém, participará da iniciativa. Ele também está envolvido em outro projeto da campanha de Lula, voltado para a realização de caravanas pelo Brasil.

247

‘Não posso enriquecer o acionista e empobrecer a dona de casa’, diz Lula sobre combustíveis

Foto: Geraldo Kosinski/Petrobras

O ex-presidente Lula (PT) criticou os preços de combustíveis praticados pela Petrobras em uma publicação nas redes sociais. Segundo o petista, que é um dos pré-candidatos ao Palácio do Planalto, “não pode enriquecer o acionista [da estatal] e empobrecer a dona de casa”.

Caso seja eleito, prometeu, o preço da gasolina não será cobrado em dólares. “Nós não vamos manter o preço da gasolina dolarizado. É importante que o acionista receba seus dividendos quando a Petrobras der lucro, mas eu não posso enriquecer o acionista e empobrecer a dona de casa que vai comprar um quilo de feijão e paga mais caro por causa da gasolina”, escreveu.

Nesta quinta-feira, governadores de estados da federação decidiram, por unanimidade, apoiar um projeto de lei que cria um fundo de estabilização dos combustíveis. A informação foi confirmada pelo coordenador do fórum dos governadores, Wellington Dias (PT), do Piauí.

O piauiense afirmou que, caso seja criado, o fundo pode fazer com que a gasolina passe a custar R$ 5. A fonte de receita seria uma receita definida da cadeia produtiva da Petrobras, como royalties, participação especial e lucros e dividendos.

A pauta dos combustíveis deverá ser uma das principais pautas debatidas no Congresso neste ano (veja aqui).

Fonte: Bahia Notícias

General que comanda Petrobrás defende gasolina cara e que estatal não faça políticas públicas

Joaquim Silva e Luna (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

A política de preços abusivos é uma das principais responsáveis pela alta da inflação no Brasil

247 – Em evento virtual do banco Credit Suisse, nesta quinta-feira (3), o general que comanda a Petrobrás, Joaquim Silva e Luna, saiu novamente em defesa da atual política de preços da estatal, e afirmou que a empresa não tem que estar preocupada em fazer políticas que beneficiem o povo brasileiro.

A política de preços abusivos implantada após o golpe parlamentar de 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff é uma das principais responsáveis pela alta da inflação no Brasil.

“A Petrobrás trabalha em cima da legalidade. Ela tem que praticar preços de mercados, tem que se comportar como uma empresa privada. Aí está a lei das estatais, da sociedade anônima, o próprio regimento interno da empresa”, disse Silva e Luna.

“A Petrobras tem responsabilidade social, mas não pode fazer políticas públicas. Ela faz isso através de uma gestão eficiente e entregando resultados”, afirmou.

O diretor financeiro da Petrobras, Rodrigo Araújo, afirmou que 60% de tudo que a companhia gera de caixa retorna para a sociedade brasileira, por meio de impostos e “distribuição de dividendos” a acionistas e União.

“A companhia não tem nenhum interesse em reter recursos. Tudo o que a gente gera tem 3 destinos: ou investimentos ou pagamento de tributos ou é para a distribuição de dividendos”.

O argumento do general é defendido apenas entre as forças que apoiaram o golpe de 2016. Petroleiros, engenheiros e acadêmicos, no geral, denunciam a abordagem neoliberal.

247

Confira se você tem direito aos bilhões esquecidos em bancos, FGTS e PIS

Brasileiros esqueceram mais de R$ 50 bilhões em contas inativas no FGTS, cotas do PIS e contas bancárias

CUT – O saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), cotas do PIS/PASEP e valores esquecidos em contas correntes e de investimentos em bancos somam R$ 50,4 bilhões. Um dinheiro que pode ajudar a pagar contas e por comida na mesa de muita gente que precisa, especialmente numa época de crise econômica e de endividamento das famílias brasileiras.

Todo esse dinheiro, segundo Adriana Marcolino, técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), representa 22% dos R$ 227 bilhões, oriundos dos rendimentos do trabalho de um mês no país, de acordo com dados de novembro de 2021 do IBGE.

Outra comparação pode ser feita ao número de cestas básicas que os R$ 50 bilhões também poderiam comprar: 83,5 milhões pelos critérios do Dieese

“Como a massa de rendimento do trabalho tem caído e com o aumento nos preços dos alimentos, pressionando a inflação, esse dinheiro esquecido pode   aliviar um pouco as dificuldades relacionadas aos orçamentos familiares que estão bastante em estrangulados e comprometidos, até por que o desemprego tem sido recorrente, com pelo uma pessoa desempregada numa família”, diz Adriana.

Os mais de 50 bilhões estão divididos em:

Cotas do PIS: 23,5 bi

FGTS: 18,9 bi

Bancos: R$ 8 bi

Confira quem tem direito e como sacar:

PIS/PASEP

As cotas do PIS/PASEP são pagas a trabalhadores e trabalhadoras com carteira assinada de 1974 a 1988. O último balanço de dezembro de 2021 mostra que foram esquecidos cerca de R$ 23,5 bilhões por 10,6 milhões de pessoas. Seus herdeiros, viúvas, viúvos e descendentes têm direito ao saque.

Confira aqui como consultar e sacar o PIS

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Quase 90 mil contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, que somam R$ 18,910 bilhões, podem ter os saldos sacados pelos trabalhadores.

Têm direito ao Fundo de Garantia, os trabalhadores registrados com carteira assinada, de acordo com as regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT); os rurais e safreiros (trabalham por período de colheita); intermitentes, temporários; avulsos, domésticos e atletas profissionais e também seus herdeiros.

Clique aqui e saiba como consultar e sacar o FGTS 

Contas bancárias esquecidas

Correntistas de bancos têm direito a receber o valor que esqueceram de sacar em contas físicas e jurídicas fechadas ou que ainda mantêm, mas sem movimentação. São restituição de cobranças indevidas, investimentos não procurados, entre outros tipos. Ao todo estão “esquecidos” R$ 8 bilhões.

A consulta poderá ser feita a partir do dia 14 deste mês. O Banco Central (BC) chegou a anunciar a abertura das consultas e saques em janeiro, mas o excesso de acessos ao site da instituição provocou uma pane que o governo federal prometeu consertar até a nova data anunciada.

Para saber se você também tem dinheiro esquecido em bancos, clique aqui e confira.

Com informações do 247

Paulo Câmara indica Danilo Cabral, do PSB, como candidato ao governo de Pernambuco em aliança com PT

Paulo Câmara e Lula (Foto: Ricardo Stuckert)

Nesta quinta, o governador pernambucano Paulo Câmara (PSB) se reuniu com o ex-presidente Lula (PT)

247 – Após negociações sobre Pernambuco, o PT abriu mão de uma candidatura própria no estado para apoiar o nome indicado pelo PSB, partido ao qual os petistas buscam se aliar numa federação, informa reportagem do Globo.

O governo de Pernambuco era uma das condições do PSB para se aliar ao PT em 2022. Os pessebistas também querem o governo de São Paulo, para lançar o ex-governador Márcio França, mas o ex-prefeito e ex-ministro Fernando Haddad (PT) é quem lidera as pesquisas.

Nesta quinta-feira, 3, o governador pernambucano Paulo Câmara (PSB) se reuniu com o ex-presidente Lula (PT) para indicar o deputado federal Danilo Cabral como candidato ao governo de Pernambuco. Danilo foi coordenador da campanha de Eduardo Campos ao governo de Pernambuco em 2006.

Com o apoio a Danilo Cabral, o PT vai abrir mão da candidatura do atual senador Humberto Costa. “No acordo, o PSB exigiu o apoio do PT no estado. A direção nacional fez o acordo e não vamos ter candidato em Pernambuco”, informou o senador petista ao jornal O Globo.

 

247

Dilma: o golpe trouxe a fome de volta ao Brasil

Dilma Rousseff (Foto: Ricardo Stuckert)

Na terceira entrevista da série sobre seu governo, ex-presidente relembra como o Brasil saiu do mapa da fome e aponta as causas da atual tragédia social

247 – Diretamente de Tegucigalpa, onde presenciou a posse da nova presidente hondurenha Xiomara Castro, a ex-presidente Dilma Rousseff concedeu a terceira entrevista da série de depoimentos sobre seu governo, ao jornalista Leonardo Attuch. Na entrevista, Dilma lembrou que a nova onda de golpes na América Latina começou por Honduras, passou pelo Paraguai e chegou ao Brasil. “Os golpes trouxeram a fome de volta ao Brasil e à América Latina, mas o povo sempre volta”, disse Dilma.

Foi no governo Dilma que o Brasil saiu oficialmente do mapa da fome das Nações Unidas. “Saímos de 14% da população brasileira com insuficiência alimentar para algo residual”, lembra a ex-presidente. Ela elencou os principais motivos para que o Brasil saísse do mapa da fome: aumento do salário mínimo, formalização do trabalho, inclusive doméstico, garantia das aposentadorias rurais, estímulo à agricultura familiar, luz para todos e programas de compras de alimentos.

Na entrevista, a ex-presidente também relembrou como o cadastro único do Bolsa Família foi importante para o combate à pobreza, assim como a concessão do benefício às chefes de família.  “Estávamos empoderando as mulheres”, diz Dilma. “Estávamos dando a elas o poder de renda e da propriedade”.

Sobre a concessão de direitos trabalhistas às empregadas domésticas, ela falou sobre o incômodo que a medida gerou na classe média. “Havia um resquício da escravidão nos lares brasileiros”, afirma. Ela também contou um bastidor sobre aquele período. “O Romero Jucá [então líder do governo no Senado] me dizia: ‘você vai perder a classe média'”. Dilma também destaca que a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) foi uma das pessoas que mais lutaram pelos direitos das domésticas.

Sobre a volta da fome ao Brasil, Dilma atribui isso às medidas tomadas pelo governo golpista de Michel Temer e por sua continuidade, que é a administração de Jair Bolsonaro. “A fome é a consequência da retirada de direitos”, diz ela. “Um país que não considera seu povo sua maior riqueza despreza a nação.” Ela também critica a destruição do parque industrial nacional e volta de um Brasil praticamente rural, após o golpe de estado. “Querem nos transformar numa grande fazenda”, pontua.

247



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia