WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

secom bahia

secom bahia

embasa


(74) 99106-4031

outubro 2021
D S T Q Q S S
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  


:: 18/out/2021 . 22:14

Requião cobra punição a Dallagnol após demissão de Diogo Castor de Mattos

“A condenação e exclusão do procurador da lava jato Diogo Castor do Ministério Público hoje, abre caminhos para que um tratamento semelhante seja dado aos desvios de conduta do Dallagnol”, escreveu o ex-governador do Paraná e ex-senador Roberto Requião

247 – O ex-governador do Paraná e ex-senador Roberto Requião cobrou que o coordenador da Força Tarefa da Lava Jato de Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol, também seja punido, após a demissão do procurador lavajatista Diogo Castor de Mattos, nesta segunda-feira, 18.

“A condenação e exclusão do procurador da lava jato Diogo Castor do Ministério Público hoje, abre caminhos para que um tratamento semelhante seja dado aos desvios de conduta do Dallagnol! MP forte e independente se livra de pessoas inadequadas?”, escreveu Requião no Twitter.

247

Mourão diz ao TSE que não aprovou disparo em massa de mensagens em 2018

Em alegações finais nas duas ações que pedem a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão, o vice disse ainda não ter qualquer envolvimento com bolsonaristas investigados no inquérito das fake news

247 – O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que não aprovou a suposta contratação de empresas para disparo em massa de mensagens contra o PT durante a campanha eleitoral de 2018.

Nas alegações finais apresentadas ao TSE nas duas ações que pedem a cassação da chapa Jair Bolsonaro-Hamilton Mourão por suposto abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação, o vice Hamilton Mourão disse também que não teve qualquer envolvimento com pessoas investigadas no inquérito das fake news.

Segundo o jornalista Igor Gadelha, do Metrópoles, Mourão disse ao TSE que “documentação sigilosa” compartilhada pelo STF mostra que o vice-presidente “não tem qualquer envolvimento com as pessoas investigadas” pelos dois inquéritos, “tão pouco com as condutas narradas” na denúncia de disparo de mensagens em massa.

247

Em levantamento com Bolsonaro e Moro, Lula é considerado o mais honesto para 49%

Ex-presidente Lula (Foto: Ricardo Stuckert)

Segundo a pesquisa feita pelo Cipec, Jair Bolsonaro aparece em segundo, com 26%, enquanto 24% afirmaram que seria o ex-juiz Sérgio Moro, condenado por parcialidade pelo STF

247 – Levantamento feito por telefone pelo Centro Integrado de Pesquisa e Comunicação (Cipec), na última semana, apontou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o presidenciável mais honesto.

A pesquisa, cujos números foram divulgados pelo site O Antagonista, perguntou aos entrevistados quem era o mais honesto: se Lula, Jair Bolsonaro ou Sergio Moro. Quase 50% dos entrevistados(49,4%) responderam que Lula; 26,4% disseram que era Jair Bolsonaro; 24,2% afirmaram que era o ex-juiz Sérgio Moro, condenado por parcialidade pelo Supremo Tribunal Federal.

Na mesma linha, a pesquisa realizada pela Consultoria Quaest, divulgada no dia 5 de outubro, apontou que o ex-presidente Lula é o nome preferido dos eleitores brasileiros para combater a corrupção no país. De acordo com o levantamento, realizado entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro, o candidato petista é o nome ideal para solucionar o problema para 28% dos entrevistados. Na sequência aparece o atual presidente da República, Jair Bolsonaro, com 24% da preferência do eleitorado, seguido pelo nome do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro, com 14% das menções.

247

 

Procurador da Lava Jato é demitido do Ministério Público

Procurador da República Diogo Castor de Mattos (Foto: Ascom PR/PR)

O procurador Diogo Castor de Matos foi demitido do Ministério Público Federal por ter financiado irregularmente a produção de outdoor de propaganda da Lava Jato

Do Conjur – Por 6 votos a 5, nesta segunda-feira (18/10), a maioria do Conselho Nacional do Ministério referendou a recomendação da conselheira Fernanda Marinela de Sousa Santos, relatora do PAD, e decidiu pela demissão do procurador Diogo Castor de Mattos, responsável por um outdoor em homenagem à “lava jato”.

O painel foi instalado em março de 2019, em uma via de acesso ao Aeroporto Afonso Pena, na região metropolitana de Curitiba. Foram exibidas imagens de nove procuradores e a frase: “Bem-vindo à República de Curitiba. Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a lei se cumpre. 17 de março — 5 anos de Operação Lava Jato — O Brasil Agradece”. Castor, que integrava a força-tarefa, anunciou seu desligamento após seu envolvimento vir à tona.

O caso havia sido inicialmente suspenso, já que Mattos apresentou um atestado médico por estafa física e mental. Mas foi reaberto após depoimento do cantor João Carlos Barbosa, no inquérito das fake news, sobre o contrato com a empresa de propaganda que produziu o outdoor.

Em setembro do último ano, o CNMP instaurou o PAD para apurar a conduta do procurador. Na ocasião, o corregedor Rinaldo Reis constatou falta funcional e violação dos princípios da moralidade e da impessoalidade, e sugeriu a penalidade de suspensão de 90 dias.

247

“Aqui a lei se cumpre”, dizia o outdoor encomendado por Diogo Castor de Mattos, demitido do MPF

“Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a lei se cumpre”, dizia o outdoor instalado em 2019 em uma via de acesso ao Aeroporto Afonso Pena, na região metropolitana de Curitiba

247 com Conjur – O Conselho Nacional do Ministério (CNMP) decidiu nesta segunda-feira (18) pela demissão do procurador Diogo Castor de Mattos, responsável por um outdoor em homenagem à operação Lava Jato.

O painel foi instalado em março de 2019, em uma via de acesso ao Aeroporto Afonso Pena, na região metropolitana de Curitiba. Foram exibidas imagens de nove procuradores e a frase: “Bem-vindo à República de Curitiba. Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a lei se cumpre. 17 de março — 5 anos de Operação Lava Jato — O Brasil Agradece”. Castor, que integrava a força-tarefa, anunciou seu desligamento após seu envolvimento vir à tona.

A votação do caso no CNMP ficou empatada em 5 a 5 e coube ao vice-PGR, Humberto Jacques de Medeiros, dar o voto de minerva favorável à punição. A demissão de Castos de Mattos não é imediata e o procurador poderá recorrer ao próprio CNMP e ao Supremo Tribunal Federal.



WebtivaHOSTING // webtiva.com.br . Webdesign da Bahia