Imagem: Redes sociais

A direção do PSOL na Bahia elegeu, pela primeira vez na história, uma mulher para a presidência estadual da legenda. A votação aconteceu no último domingo (12) e foi vencida pela militante Elze Fachinetti, apoiada pelo deputado estadual Hilton Coelho e pelo ex-vereador Marcos Mendes. Fachinetti teve 58% dos votos, derrotando a chapa “Psol Popular”, liderada por Fábio Nogueira, que tentava a reeleição. Ele teve 36% dos votos válidos. A chapa “Semente”, terceira colocada, teve 6%.

“Ser a primeira mulher presidenta do PSOL Bahia é uma honra e grande alegria, mas quero destacar a importância da Chapa de Oposição neste momento em que temos como prioridade fortalecer o PSOL em todo o Estado, com um forte trabalho de interiorização do partido e uma verdadeira transformação social na Bahia. Especialmente, neste momento de tantas perdas de direitos que requer unidade na luta contra o avanço da extrema-direita e do golpismo no Brasil”, disse Elze Fachinetti, após a divulgação do resultado.

O Psol foi oficialmente fundado em 2004. E, desde então, nunca tinha tido na presidência uma mulher, embora uma das bandeiras do partido seja a luta contra o machismo e a opressão patriarcal.

Elze Fachhinetti Arnold, que era Secretaria de organização do PSOL Bahia, juntamente com o professor Franklin Oliveira do PSOL Salvador levaram a proposta dos INDEPENDENTES uma tendência que encantou socialistas do interior baiano, pois contempla antigos anseios dos políticos que vivem nos municípios baianos. O socialista Aroldo Pinto, atualmente no PSOL, que também assina a tese Independentes e é militante de esquerda histórico, se encantou com a palavra segura do professor Frankliln em afirmar um novo modelo de gestão, moderno, profissionalizado, interiorizado e transparente  e a simplicidade da militante Elze, uma mulher guerreira que agora chega a presidência do PSOL no estado da Bahia, mudando a cara do partido.

Com informações do METRO1